SEJAM BEM VINDOS AO MEU BLOG!!!



" Daqui a cem anos, não importará o tipo de carro que dirigi, o tipo de casa em que morei, quanto tinha depsitado no banco, nem que roupas vesti. Mas o mundo pode ser um pouco melhor porque eu fui importante na vida de uma criança. "

Clique aqui e veja o que encontar no blog:
*Projetos Pedagógicos *Sugestões de Atividades *CDs Atividades *Leitura para Professores *Dicas para Pais e Educadores *Vídeos e muitas novidades!Espero que vocês possam gostar! Seja nosso Seguidor!

31 de mar de 2010

Acompanhando o aprendizado da criança em casa


Os pequenos aprendizes constroem uma verdadeira sopa de letras. Misturam tudo, escrevem palavras só com vogais outras só com consoantes, apaixonam-se por uma letra, e fazem questão de usá-la sempre. Também podem não admitir por exemplo, escrever BOI com 3 etras e FORMIGA com 7, pois um animal grande requer muitas letras, e a formiga, tão pequena, deve ser curtinha. As vezes, acham impossível uma palavra ter menos que três letras. "OI" no caderno de uma criança, pode surgir num rabisco enorme. "Brigadeiro" talvez fique melhor numa combinação mais reduzida como BIGADRO de Fabiana de 6 anos. E a ortografia vira uma festa: CASA vira KASA e GALINHA vira AHALINHA.
Acompanhar essas tentativas da criança "dá nervoso" confessa a mãe de Frederico, 6 anos. Você tem a impressão de que a criança não vai aprender nunca. A aflição a levou a cometer enganos, como ocorre com muitos pais ansiosos de ver os filhos a ler e escrever. Carla apagava os "erros" do filho cometidos como BOLXA (bolacha) e BORAXA (borracha).Não, Frederico, ela dizia, não é assim, e passava a borracha, soletrando para ele a grafia certa. Depois aprendeu com os professores que essa correção deve ser ponderada. Os pais tem de pensar no que representa esse esforço de aprendizado. No começo a criança está tão aflita tentando entender a escrita do adulto que quando consegue colocar algo no papel fica absolutamente feliz, afirma a Educadora Silvia Gasparian Collelo, professora da Universidade de Educação de São Paulo (USP). Aos pais ansiosos, a orientadora pedagógica Cristina Bonfam orienta: "Quando a criança errar, escreva em um papel à parte a palavra correta para que ela tente perceber onde errou. Soletrar não ajuda, porque é uma atividade mecânica e não faz pensar na palavra".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.